Fórmula E estreia neste sábado

 

Formula E

 

Silenciosamente, como convém a carros impulsionados por motores elétricos, a novíssima Fórmula E estreará oficialmente neste sábado no circuito de rua de Pequim. A categoria criada pela FIA em nome da sustentabilidade e da preocupação com o meio ambiente dará a largada das 10 etapas do primeiro calendário em meio a enorme curiosidade sobre o comportamento de monopostos movidos a bateria, pneus de uso misto (seco e molhado) e um pit stop durante as provas não para reabastecimento ou substituição de pneus, mas para a troca de carro. O Brasil estará representado por três dos melhores pilotos da safra mais recente – Bruno Senna, da Mahindra Racing, Nelsinho Piquet, da China Racing, e Lucas di Grassi, da Audi Abt.
Ao contrário das categorias convencionais, na Fórmula E o piloto não poderá sequer fazer o tradicional reconhecimento da pista. Como uma das preocupações da categoria é provocar o mínimo de transtorno às cidades visitadas, toda a programação será desenvolvida em um único dia, desde a montagem à desmontagem de toda a estrutura.
Um dos vários dos 20 pilotos com passagem pela Fórmula 1, Bruno Senna se viu obrigado nos últimos dias a explicar as diferenças e similaridades entre as duas categorias. Uma, realizada há mais de seis décadas e ainda utilizando combustíveis fósseis e poluentes, e a outra movida a motores com pouco mais de 20 quilos de peso, mas alimentados por pesadas baterias ainda sem autonomia para uma prova com duração aproximada de uma hora – daí a necessidade de troca do carro. “O Fórmula E tem a mesma proposta de design de um monoposto como um F1. Câmbio sequencial, freios de carbono, pressão aerodinâmica, e passa pelos mesmos rigorosos testes de impacto. Os pneus de uso misto de perfil baixo e rodas aro 18 mudam bastante o comportamento do carro em comparação com pneus slick e rodas aro 13 do Fórmula 1. Apesar de ter menos potência que o F1, o F-E tem bastante torque e uma reação muito instantânea ao acelerador. Por isso, a aceleração de 0-100 é parecida em ambos os casos”.
Para quem está habituado ao poderoso rugir dos motores da Fórmula 1, acostumar-se a ausência de ruído pode estar fazendo bem aos ouvidos, mas os efeitos colaterais também já foram sentidos por Bruno. “A principal dificuldade do carro elétrico é que o som do vento é maior que o do motor em alta velocidade. Isso dificulta a troca de marchas para cima, mas especialmente as reduções”, observa. Embora tenha capacidade para alcançar velocidades bem mais altas, a máxima estipulada pela FIA é de 225 km/h na configuração de classificação e durante a utilização do fan boost – uma iniciativa para atrair os torcedores, que votaram em seus pilotos preferidos pelo site oficial. Os três mais votados serão conhecidos depois da tomada classificatória. “Esse limite foi estabelecido porque o arrasto aerodinâmico torna velocidades altas extremamente ineficientes com a energia utilizada. Então, limitando a velocidade, garante-se maior eficiência durante as corridas”, detalhou.
A Fox Sports transmitirá todas as etapas para o Brasil. Nesta sexta-feira, a uma hora da madrugada, exibirá o treino que definirá a ordem de largada. A partir das 4h30, inicia a cobertura da corrida inaugural direto das ruas das capital chinesa.


Deprecated: Directive 'track_errors' is deprecated in Unknown on line 0