Na rua e na chuva, Will Power vence em São Paulo

Valeu a pena esperar. A chuva que caiu forte no domingo (1º) e causou o adiamento da corrida depois de 14 voltas caiu mais branda na manhã desta segunda-feira (2) no Circuito Anhembi, o que não impediu o prosseguimento da Itaipava São Paulo Indy 300 Nestlé para o complemento das 55 voltas. Uma corrida em que o vencedor só foi definido nos giros finais. E pela 12ª vez na carreira – e segunda na temporada – Will Power foi o grande vencedor, repetindo o feito de 2010 nas ruas paulistanas. Com a vitória, o australiano da Penske assumiu a liderança do campeonato, com 168 pontos, 14 à frente de Dario Franchitti, quarto na prova de hoje.
Em segundo lugar ficou um surpreendente Graham Rahal, da Ganassi, seguido de Ryan Briscoe, também da Penske. O escocês Dario Franchitti, da Chip Ganassi, o espanhol Oriol Servia, da Newman-Haas, o inglês Mike Conway, da Andretti Autosport, seu compatriota Justin Wilson, da Dreyer & Reinbold, o japonês Takuma Sato, da KV-Lotus, o canadense James Hinchcliffe, da Newman-Haas, e o norte-americano JR Hildebrand, da Panther, fecharam os dez primeiros entre os 23 carros que completaram a corrida.
Outro destaque ficou por conta da suíça Simona de Silvestro, da HVM, que mesmo terminando a prova na 20ª colocação (a nove voltas dos líderes, por causa do acidente de ontem), andou o tempo todo no ritmo dos líderes e marcou a volta mais rápida da Itaipava São Paulo Indy 300 Nestlé. Com 1min39s823 ela foi a vencedora do Troféu Speedy, oferecido pela Telefonica.
Entre os brasileiros o melhor foi Vitor Meira, da A.J. Foyt, na 17ª colocação, a duas voltas do vencedor. Helio Castroneves, que foi uma das vítimas da múltipla batida na largada de domingo, foi o 21º, seguido por Tony Kanaan, ambos a nove voltas do líder em virtude da desvantagem causada pelos acidentes de ontem. Raphael Matos e Bia Figueiredo abandonaram.

O reinício
Caprichosamente, a chuva começou a cair, ainda que fraca, no exato momento em que os pilotos completavam a volta número 15, atrás do pace car, quando se preparavam para a largada. Mesmo calçando os pneus Firestone Firehawk para pista seca, os pilotos passaram ilesos pelo ‘S do Samba’ ao sinal da bandeira verde e todos foram direto aos boxes para realizarem as trocas para pneus de chuva.
Os três primeiros – Power, Briscoe e Sato – mantiveram a ordem. Logo atrás, Graham Rahal lutava para manter-se em quarto, mas foi ultrapassado por Dario Franchitti e Marco Andretti nas voltas seguintes. Na 18ª volta, Takuma Sato ultrapassou Ryan Briscoe e assumiu a vice-liderança da prova. Power forçava o ritmo para abrir distância – e isso quase lhe custou a vitória: na saída da Curva Tietê (entrada da Reta dos Bandeirantes, na Marginal Tietê), seu Dallara-Honda derrapou na retomada e tocou de leve com a roda traseira esquerda no muro, o que entortou a suspensão do carro – desalinhando também o volante pelo restante da corrida. O incidente, somado à bandeira amarela, acionada na volta número 20, impediu o australiano de manter uma tocada mais forte.
A bandeira amarela foi causada pela batida do francês Sebastien Bourdais, na Curva do Pavilhão, e da de Ryan Hunter-Reay, na freada para a Curva das Docas. Neste momento, entre os brasileiros, Bia Figueiredo ocupava a 15ª colocação, com Raphael Matos logo atrás, Vitor Meira em 21º, Tony Kanaan em 23º e Helio Castroneves em 24º. Pouco antes da relargada, Hunter-Reay conseguiu ir aos boxes para trocar o aerofólio traseiro (como havia batido duas vezes no domingo, a Andretti colocou a peça reserva do carro de Mike Conway no bólido número 28); Meira reabasteceu e Danica Patrick fez ajustes na asa traseira.
Na relargada, dada na abertura do 25º giro, Takuma Sato foi para cima de Will Power e assumiu a liderança por fora, na freada para a curva 1, ao mesmo tempo em que, no pelotão, os pilotos lutavam para ganhar posições. Rahal rodou na Curva do Pavilhão, mas conseguiu voltar, enquanto Matos tocou em outro carro, danificou o bico e teve de ir aos boxes para trocar a peça. A retirada dos detritos deixados na saída da Curva Espéria causaram novamente a bandeira amarela. Nesse momento, alguns pilotos já se dirigiam aos boxes para colocar novos pneus de chuva.
A relargada veio na volta número 29 e Marco Andretti aproveitou para tomar a terceira posição de Franchitti. Matos e Kanaan se tocaram na freada para o ‘S do Samba’ e foram para a área de escape; Bia também perdeu o ponto de freada e passou por cima de um detrito de carro. O fato causou o seu abandono, assim como o de Matos. Enquanto isso, Will Power mantinha-se conservador e Sato passava abrir vantagem.
A prova prosseguiu em bandeira verde, apesar das rodadas de Justin Wilson e da batida de Franchitti na barreira de pneus da Curva 1. Ambos conseguiram voltar ao traçado sem maiores problemas. O venezuelano EJ Viso ultrapassou Oriol Servia e Ryan Briscoe. Na 33ª volta, nova bandeira amarela, por causa da rodada de Danica Patrick na entrada da Reta dos Bandeirantes. Dois giros depois, vários carros dirigiram-se aos pits; Sato continuou na pista, assim como Andretti e Viso, segundo e terceiro colocados.
Na passagem 37, Andretti e Viso ‘se estranharam’ na freada da primeira curva após a relargada e, como o neto do lendário Mario Andretti cortou caminho por dentro da zebra, teve de abrir passagem para o venezuelano da KV-Lotus – que a partir dali passou a dominar as duas primeiras posições.
A 26 minutos do fim (volta 40), Sato mantinha 2s2 de diferença para seu companheiro de equipe. Vitor Meira, em 17º, era o melhor brasileiro classificado na corrida (posição em que cruzou a linha de chegada) quando Andretti iniciou investida sobre Viso. O venezuelano tentou de todas formas bloquear o norte-americano, o que lhe rendeu uma advertência e, posteriormente, uma bandeira preta pela direção de prova, punindo-o com uma passagem obrigatória pelos boxes, no 43º giro.
Neste momento, Simona de Silvestro já tinha o carro mais rápido na pista. Mesmo com nove voltas de atraso, a piloto se posicionava atrás de Marco Andretti. Sato abria quatro segundos na liderança quando o norte-americano resolveu ir aos boxes para uma estratégia ousada – e que não deu certo: colocar pneus slicks.
O japonês, que liderava com tranquilidade, teve que ir aos boxes na 48ª volta – apenas para reabastecer – e voltou em sétimo, o que colocou um fim em suas chances de vitória. Ele ainda teve tempo de ultrapassar Mike Conway, no 50º giro (a sete minutos do fim), e pressionar Oriol Servia, mas perdeu o ponto de freada do ‘S do Samba, caindo para a oitava colocação.
A parada de Sato nos boxes recolocou Will Power na liderança. O australiano, mesmo com a difícil dirigibilidade do carro da Penske por causa dos danos da leve batida na parte inicial da prova, conduziu com certa tranquilidade até receber a bandeira quadriculada para sua 12ª vitória na carreira, segunda na temporada e segunda na Itaipava São Paulo Indy 300 Nestlé. A pole do australiano no sábado, que marcou a 200ª da história da Penske, foi seguida da vitória de número 155 de sua equipe.
A Itaipava São Paulo Indy 300 Nestlé encerrou a fase de circuitos mistos da fase inicial da temporada 2011 na IZOD IndyCar Series. Agora, equipes e pilotos voltam aos Estados Unidos para iniciarem a preparação para a tradicional 500 Milhas de Indianápolis, no dia 29 de maio. É o primeiro circuito oval da temporada.

Confira o resultado da corrida:
1. Will Power (Team Penske) – 2h04min05s296
2. Graham Rahal (Chip Ganassi Racing) – a 4s672
3. Ryan Briscoe (Team Penske) – a 7s903
4. Dario Franchitti (Chip Ganassi) – a 10s147
5. Oriol Servia (Newmann/Haas Racing) – a 15s818
6. Mike Conway (Andretti Autosport) – a 16s677
7. Justin Wilson (Dreyer & Reinbold Racing) – a 20s013
8. Takuma Sato (KV Racing Technology-Lotus) – a 23s068
9. James Hinchcliffe (Newman/Haas Racing) – a 25s292
10. JR Hildebrand (Panther Racing) – a 31s317
11. Sebastian Saavedra (Conquest Racing) – a 36s426
12. Scott Dixon (Chip Ganassi Racing) – a 42s197
13. EJ Viso (KV Racing Technology-Lotus) – a 45s826
14. Marco Andretti (Andretti Autosport) – a 1min14s563
15. James Jakes (Dale Coyne Racing) – a 1min16s563
16. Charlie Kimball (Chip Ganassi Racing) – a 1 volta
17. Vitor Meira (A.J. Foyt Enterprises) – a 2 voltas
18. Ryan Hunter-Reay (Andretti Autosport) – a 5 voltas
19. Alex Tagliani (Sam Schmidt Motorsport) – a 7 voltas
20. Simona de Silvestro (HVM Racing) – a 9 voltas
21. Helio Castroneves (Team Penske) – a 9 voltas
22. Tony Kanaan (KV Racing Technology-Lotus) – a 9 voltas
23. Danica Patrick (Andretti Autosport) – a 9 voltas
24. Bia Figueiredo (Ipiranga Dreyer & Reinbold Racing) – a 24 voltas
25. Raphael Matos (AFS Racing) – a 27 voltas
26. Sebastien Bourdais (Dale Coyne Racing) – a 35 voltas

A classificação do campeonato após quatro corridas disputadas:
1. Will Power – 168 pontos
2. Dario Franchitti – 154 pontos
3. Oriol Servià – 110 pontos
4. Mike Conway – 102 pontos
5. Ryan Briscoe – 101 pontos
6. Tony Kanaan – 99 pontos
7. Alex Tagliani – 85 pontos
8. Scott Dixon – 84 pontos
9. Graham Rahal – 82 pontos
10. Takuma Sato – 80 pontos
11. Simona de Silvestro – 78 pontos
12. Vitor Meira – 77 pontos
13. Marco Andretti – 70 pontos
14. Justin Wilson – 70 pontos
15. Danica Patrick – 69 pontos
16. JR Hildebrand – 69 pontos
17. Helio Castroneves – 68 pontos
18. Raphael Matos – 67 pontos
19. James Hinchcliffe – 66 pontos
20. Sebastian Saavedra – 62 pontos
21. Charlie Kimball – 58 pontos
22. James Jakes – 55 pontos
23. Ryan Hunter-Reay – 52 pontos
24. E.J. Viso – 51 pontos
25. Sébastien Bourdais – 44 pontos
26. Bia Figueiredo – 40 pontos
27. Simon Pagenaud – 24 pontos
28. Paul Tracy – 14 pontos


Deprecated: Directive 'track_errors' is deprecated in Unknown on line 0