Coluna “Andando de Carro” 22.05.2020

Conheça os novos (e impressionantes) superesportivos da Porsche

Antônio Fraga | Especial para ACidade ON
22/5/2020
Os superesportivos Porsche Targa 4 e 4S (Foto: Divulgação)
Os superesportivos Porsche Targa 4 e 4S completam a linha do lendário 911 (Foto: Divulgação)

Simplesmente espetacular
Com o objetivo de aproveitar o verão europeu, a Porsche lança os novos modelos 911 Targa 4 e 911 Targa 4S com tração integral. Eles chegam depois dos modelos Coupé e Cabriolet do 911. O modelo Targa, lançado originalmente em 1965, continua com o teto removível acima das cabeças do motorista e dos passageiros. Mas diferente do de 1965, agora é elétrico e conta com uma grande barra de proteção anti-capotagem (santantônio). O teto pode ser confortavelmente aberto e fechado em apenas 19 segundos.

O novos modelos da marca alemã de superesportivos são equipados com um motor boxer de três litros e seis cilindros com dois turbo compressores: o 911 Targa 4 agora entrega 385 cavalos e, em combinação com o pacote opcional Sport Chrono, acelera de 0 a 100 km/h em apenas 4,2 segundos (um décimo de segundo mais rápido que anteriormente). O motor do 911 Targa 4S chega a 450 cavalos e, nas mesmas condições, permite atingir a marca de 100 km/h em apenas 3,6 segundos (quatro décimos de segundo mais rápido que seu antecessor). A velocidade máxima do 911 Targa 4 é 289 km/h (dois km/h a mais), enquanto o 4S ganhou três km/h, atingindo 304 km/h.

Os dois carros esportivos estão equipados de série com uma transmissão de dupla embreagem com oito marchas (PDK) e a tração integral inteligente Porsche Traction Management (PTM). Alternativamente, o 911 Targa 4S pode ser encomendado com a caixa de câmbio manual de sete velocidades recentemente desenvolvida, com o pacote Sport Chrono incluso.

Novas tecnologias também foram integradas ao amplo espectro de conteúdo dos dois modelos 911 e, pela primeira vez foi disponibilizado o sistema Porsche InnoDrive, que inclui o controle de velocidade adaptativo.

Graças à função Smartlift aperfeiçoada, a altura livre do solo pode ser programada, para que o carro fique mais elevado no uso diário.

O interior reflete o dos modelos 911 Carrera e é caracterizado pelas linhas claras e retas de seu painel e pelos instrumentos embutidos. Os modelos 911 dos anos 1970 foram a inspiração nesse aspecto. Ao lado do contagiros central – uma característica muito típica da Porsche – dois estreitos displays sem molduras ampliam as informações fornecidas ao condutor.

Uma unidade de interruptores compacta com cinco botões para acesso direto a importantes funções do veículo está colocada abaixo da tela central de 10,9 polegadas do Porsche Communication Management (PCM – Gerenciamento de Comunicação). Os itens de série do PCM incluem navegação online baseada em dados em tempo real fornecidos pelos sistemas de controle de tráfego, assim como o Connect Plus.

Por dentro, os Porsche 911 Targa 4 remetem aos modelos da década de 1970 (Foto: Divulgação)

Só pressão
“Sim, a Renault pode desaparecer.” A declaração é do ministro das Finanças da França, Bruno Le Marie. Por conta da pandemia, a marca solicitou uma ajuda do governo francês de 5 milhões de euros (mais ou menos 35 milhões de reais). O governo francês é acionista da marca. Segundo o ministro, a marca deve permanecer competitiva para que isso não aconteça.

Ainda segundo ele, Jean-Dominique Senard, presidente do conselho de administração da Renault, está produzindo um novo plano estratégico e que conta com todo o apoio do governo.

As declarações do ministro não ajudaram em nada a marca, que teve queda de 3% nas suas ações. Em março, as vendas de automóveis caíram 67,5% na Comunidade Europeia, enquanto o mesmo mercado caiu 55,1%.Enquanto isso, há estudos para acabar com a associação com a japonesa Nissan, parceria que já tem 20 anos. A marca japonesa pode demitir 20 mil pessoas em todo o mundo.

O substituto do Chevrolet Omega, grande sucesso da GMB, veio da Holden australiana (Foto: Divulgação)  

Bons tempos
Mas quem está com os dias contados, é a australiana Holden. A empresa que pertence ao grupo General Motors, vai fechar as portas até o final deste ano. A Holden começou a produzir veículos em 1917. Antes de ser adquirida pela GM, em 1931, a marca produziu em 1923 para a Ford o modelo T, que eram vendidos na Austrália.

Em 1926, a Holden começou a produzir modelos da GM. A marca vendeu seus carros em vários países do mundo, inclusive no Brasil.

Quando em 1998 parou de produzir o Chevrolet Omega, modelo de grande sucesso que chegou em 1992 com a missão de substituir o Chevrolet Opala como carro de luxo da marca, a General Motors do Brasil passou a importar o Holden Commodore, que aqui ganhava o nome Omega.

Na chave, o proprietário dos Volvo modelos 2021 poderá limitar a velocidade do carro (Foto: Divulgação)

Promessa cumprida
Em 2019, a marca sueca Volvo prometeu uma evolução para este ano e cumpriu. Os modelos da marca 2021 serão equipados com um limitador de velocidade em 180 km/h. A programação pode ser feita na nova chave eletrônica (Care Key). O principal objetivo é ajudar a diminuir os acidentes nas estradas europeias.

Na verdade, a marca sueca se antecipa às novas normas da Comunidade Europeia que começam em maio de 2022, obrigando os veículos a ter limitadores de velocidade inteligentes, tecnologias que monitorem os estado de fadiga, alcoólico ou até de dopagem dos motoristas.

A italiana Maserati sempre teve o seu nome relacionado às pistas de corrida (Foto: Divulgação)  

Brilhante ideia
A Maserati prepara uma linda e justa homenagem ao piloto inglês Stirling Moss, que faleceu em 12 de maio, aos 90 anos. O novo superesportivo da marca, o MC20 (nome não definitivo) terá o design inspirado no carro de corridas Eldorado, que foi pilotado por Moss em 1958, em Monza, no “Trofeo dei due Mondi”.

Ao anunciar o modelo, a marca italiana fez uma justa homenagem à vitória do inglês no Grande Prêmio de Mônaco de Fórmula 1, de 1956, que liderou as 100 voltas pilotando um Maserati 250F.

A pandemia está mudado a vida dos consumidores e uma delas é a compra pela internet (Foto: Divulgação)  

Mundo diferente
A Ford do Brasil está mudando a experiência de comprar um automóvel, com canal de atendimento “Compre Sem Sair de Casa”, lançado pela Ford há um mês. No espaço de 30 dias, o canal já teve 5.400 manifestações de interesse de clientes interessados na aquisição de um novo modelo. Os clientes que usaram o sistema podem fazer todo o processo sem precisar ir a uma concessionária.

A receptividade do “Compre Sem Sair de Casa”, na avaliação de Reinaldo Faga, diretor de Vendas da Ford, tem sido muito positiva e a conversão do primeiro contato em vendas vem crescendo à medida que os clientes experimentam o processo.
Para a maioria dos clientes, a possibilidade de utilizar o carro seminovo na negociação é um fator importante. No sistema “Compre Sem Sair de Casa”, a avaliação do veículo é feita a partir de informações dadas pelo próprio cliente e complementada com posterior vistoria no local indicado por ele.

Para acessar o “Compre Sem Sair de Casa”, basta entrar na área de “Ofertas” do site da Ford, selecionar o modelo desejado e preencher um cadastro. O cliente deve informar também se quer incluir um veículo seminovo na negociação, a forma de pagamento, à vista ou financiado, e o valor pretendido de entrada e das parcelas. Depois, escolhe a concessionária de sua preferência e o meio pelo qual deseja ser contatado.

Na etapa seguinte, o cliente é contatado pela concessionária para dar andamento na negociação. Se desejar, ele pode agendar um test-drive do veículo, que será levado até sua casa. Fechando a compra, o carro é entregue em casa ou outro lugar de sua preferência.

Boa promoção
Mesmo com as concessionárias praticamente fechadas, a Jeep está lançando uma campanha para pessoas com deficiência (PCD). A compra poderá ser efetuada pelos canais digitais da marca.

A ação é voltada para os modelos Jeep Renegade e Jeep Compass, que não se enquadram nas determinações do benefício integral para o público PCD. A totalidade dos descontos para pessoas com deficiência, que inclui isenção de IPI, ICMS, IOF e IPVA (esse último variando conforme o município), é válida apenas para veículos que custem até R$ 70.000. No entanto, é possível ter isenção do IPI para carros com preço acima desse valor.

Desse modo, o público PCD poderá ter descontos, além dos de direito, de até 28,3%, em uma oportunidade única para quem fizer a compra. Com a nova tabela de preços, o Jeep Compass Longitude 2.0 Diesel, por exemplo, que custa R$ 170.990, pode ter uma redução que vai de 22,3% a 28,3%, podendo chegar até ao preço de R$ 98.080. Se um comprador PCD optar pelo Jeep Compass Longitude 2.0 Flex, que tem preço público sugerido de R$ 134.990, os descontos podem variar entre 19,5% e 25,5%, podendo chegar ao valor final de R$ 90.602.

Já se a opção for pelo Jeep Renegade Trailhawk 2.0 Diesel, com valor sugerido de R$ 152.990, os descontos oscilam entre 18,6% e 24,6%, ocasionando uma compra ao preço de R$ 92.284.

Se a preferência for levar para casa um Jeep Renegade Sport 1.8, que custa R$ 91.590, a versão pode ter um desconto de 15,7% a 21,7%, podendo ser adquirido por R$ 64.608.

Vale lembrar que o Jeep Renegade 1.8 Flex AT6 PCD já se enquadra nas determinações do benefício integral para o público PCD. Por isso, segue com preço público sugerido de R$ 69.999, chegando a R$ 54.662 com as isenções integrais permitidas.

Barbeiros à vista
No mês do Maio Amarelo, que destaca as necessidades na segurança do trânsito, uma pesquisa muito interessante foi feita pela CPFL Paulista, mostrando que foram registradas 5.125 colisões de veículos contra postes da companhia em 2019, considerando todas as cidades de sua área de atuação. Uma incrível média de 14 acidentes por dia. O número representa uma redução de 1,04% em relação a 2018, que teve um total de 5.148 casos.

“Os acidentes contra postes constituem umas das principais causas de ocorrências na rede elétrica do grupo. Trabalhamos com ações de prevenção no trânsito, levando a nossa mensagem de segurança também aos nossos clientes”, afirma o gerente de Saúde e Segurança do Trabalho da CPFL Energia, Marcos Vitor Lopes.

De acordo com o estudo da distribuidora, que atende 4,6 milhões de consumidores em 234 municípios do interior paulista, Campinas lidera o ranking de acidentes com postes, totalizando 503 ocorrências em 2019, uma redução de 7,7% frente a 2018. Em segundo lugar vem Ribeirão Preto, com 317 casos, um aumento de 8,9% em relação ao ano anterior, e, na sequência, Piracicaba, com 241 ocorrências, registrando alta de 9,5% nos acidentes.

No acumulado de 2020 (de janeiro até 10 de maio), os municípios com cobertura da distribuidora somaram 1.752 acidentes envolvendo postes. O número representa cerca de 13 registros diários. Essas colisões registradas em 2019 resultaram em 2.575 ocorrências de interrupção no fornecimento de energia e geraram, em média, 4,4 horas de serviços da companhia no trabalho de substituição de poste, reconstrução de rede de distribuição e restabelecimento da energia.

Dependendo da gravidade do acidente, as equipes de campo precisam também aguardar a realização dos trabalhos da perícia policial para poder então iniciar o trabalho de manutenção.

Combustíveis vão subir
Depois de despencar 8% em abril na comparação com março, o preço médio do litro da gasolina comum voltou a registrar forte queda (-5,7%) nos primeiros 15 dias de maio no país. Conforme levantamento da ValeCard, o valor médio do combustível no território nacional na primeira quinzena de maio foi de R$ 3,992 (em abril, o preço médio foi de R$ 4,23). No período de 30 dias encerrado em 15 de maio, o preço da gasolina caiu 7,81%.

O valor da gasolina vem caindo em razão da redução na circulação de veículos em todo o país decorrente da pandemia e das sucessivas diminuições do valor nas refinarias da Petrobras. Neste mês, porém, o litro do combustível sofreu dois aumentos seguidos nas refinarias 12% no dia 7 e 10% no dia 14. Mesmo assim, o preço seguiu em queda em todos os Estados.

Na comparação com abril, os Estados que registraram maiores quedas no preço na primeira quinzena de maio foram Ceará (-7,41%), Mato Grosso (-7,17%) e Rio Grande do Norte (-7,08%). No período de 30 dias encerrado em 15 de maio, as maiores reduções de preço foram registradas em Mato Grosso (-10,26%), Ceará (-9,97%) e Rio Grande do Norte (-9,58%).

Por outro lado, na comparação com abril, as menores quedas do preço na primeira quinzena de maio ocorreram no Amazonas (-3,17%) e no Rio de Janeiro (-4,49%). No período de 30 dias encerrado em 15 de maio, as menores reduções ocorreram no Amazonas (-4,51%) e no Rio de Janeiro (-4,49%).

Kart parado
A Comissão Nacional de Kart tem trabalhado diante de diferentes cenários para determinar como serão realizadas as suas competições previstas para a temporada 2020.

Nesse sentido, após ter anunciado as novas datas para a competição, a CNK divulgou os demais detalhes que envolvem a competição. Dentre alguns importantes detalhes do documento o que mais chama a atenção são a redução dos valores de inscrição, mesmo em relação a 2019, bem como agrupamento de algumas categorias e número mínimo de inscritos para a realização do Campeonato.

O processo de inscrições para o 55º Brasileiro de Kart será aberto no dia 1º de outubro por meio de formulário online no site da entidade (cba.org.br). A taxa de inscrição será dividida em dois lotes, sendo o primeiro deles válido até o dia 4 de novembro e o segundo a partir de 5 de novembro. Os inscritos no primeiro lote deverão pagar o preço de R$ 895,00 (Mirim e Cadete) ou R$ 1.795,00 (Demais categorias). Os valores do segundo lote serão de R$ 1.165,00 (Mirim e Cadete) ou R$ 2.340,00 (Demais categorias). O terceiro lote de inscrições deixará de existir.

Cabe ressaltar que, diferente dos anos anteriores, os pilotos terão que obrigatoriamente efetuarem o pagamento da inscrição no ato do preenchimento do formulário por meio de cartões de débito ou crédito. Assim, somente serão computadas as inscrições efetivamente pagas.

As categorias com menos de 10 pilotos inscritos serão automaticamente canceladas. Mas dependendo da situação da pandemia, os campeonatos poderão ser cancelados.

A decisão definitiva sobre datas e formato do evento será divulgada pela CBA – Confederação Brasileira de Automobilismo, no dia 6 de novembro, impreterivelmente. Cabe ressaltar que, no infeliz caso de cancelamento do evento, os valores de inscrições já pagos serão ressarcidos aos competidores.

O Jaguar XF tem quase cinco metros de comprimento, o que garante bom espaço interno (Foto: Divulgação)

Teste da semana  – Jaguar XF

Luxo e conforto com um bom toque de esportividade  

A Jaguar sempre foi sinônimo de carros muito bem construídos, acabamento impecável e motores caprichados. Apesar de terem uma leve esportividade, as linhas dos Jaguares sempre foram elegantes, mas muito “sérias”. Atualmente, estão mais modernas, mas ainda conservam a sua pose de lorde inglês. O modelo intermediário da marca no Brasil, o XF, é um bom exemplo disso. Não passa despercebido em qualquer lugar aonde vá, mesmo diante de modelos de categorias superiores. O preço do modelo testado está em torno de 325 mil reais.

Elegância
Com linhas elegantes, o XF é um coupé de quatro portas (estranho escrever coupé sobre um carro com esse estilo, mas…), que foi concebido pelo designer Ian Callum. As dimensões do modelo inglês são generosas, com cinco metros de comprimento e distância entre eixos de quase três metros. Isso deixa o interior mais generoso ainda.

O espaço no banco de trás é maravilhoso, associado aos confortáveis bancos, conjunto que proporciona muita comodidade em qualquer viagem. Uma nota ruim é que devido à curvatura do teto, pessoas com aproximadamente 1,90 metro de altura terão dificuldades em arrumar uma posição confortável para a cabeça. Ela vai ficar batendo no teto.

O acabamento do modelo é espetacular, digno da fama da marca. O interior é todo revestido de couro da melhor qualidade e, para qualquer lado onde se olhe, há um detalhe especial. A parte frontal do painel e o console central têm acabamento de alumínio muito bonito. Um detalhe muito legal: as saídas do ar condicionado ficam fechadas. Ao ligar o aparelho, as aberturas giram, aparecendo as aletas e o ar gelado.

O interior digno dos lordes ingleses é completado por um sistema de som Meridian, com 11 alto-falantes e 380 W de potência, tela multimídia com GPS e que pode armazenar até 30 Gb, teto solar elétrico, luz que avisa do ponto cego no retrovisor e diversos airbags dianteiros e de cortina.

Existe também a versão V6, mas a avaliada foi a com motor 2.0 turbo de 250 cavalos de potência, 365 Nm de torque e que acelera de 0 a 100 km/h em 6,7 segundos. A velocidade máxima é de 244 quilômetros por hora.

O consumo é outro detalhe muito interessante no XF: na cidade faz 6,9 km/l e na estrada, a uma média de 100 km/h, consegue até 9,7 km/l. São excelentes números para um carro desse porte.

O câmbio automático é de oito velocidades e possui a opção de mudanças manuais por alavancas atrás do volante, o que garante mais esportividade ao modelo. A troca de marchas, aliás, não é mais por alavanca no console central, e sim, por um botão giratório que se “levanta” quando o carro é ligado. Isso faz com que o espaço interno do modelo seja bastante otimizado.

O principal módulo de controle do XF governa diversas funções essenciais de segurança, como Ajuda para Frenagem de Emergência (EBA), Distribuição Eletrônica da Força de Frenagem (EBD), Sistema Antitravamento de Frenagem (ABS), Controle de Tração mediante intervenção em motor e freios, Controle Dinâmico de Estabilidade (DSC) e Controle de Frenagem em Curvas (CBC).

O XF inclui o Sistema Dinâmico de Estabilidade Anticapotamento, projetado para reduzir a perda de aderência mediante intervenção no regime do motor e no sistema de frenagem para desacelerar o carro e ajudar a restabelecer a aderência às rodas dianteiras.

Em resumo, um verdadeiro lorde inglês, que merece todo o nosso respeito!


Deprecated: Directive 'track_errors' is deprecated in Unknown on line 0