Argentinos vão torcer por piloto da casa

A prova do próximo domingo (23) pode ser a primeira grande chance de um argentino subir ao pódio ou até mesmo vencer a Corrida do Milhão, que será disputada pela sétima vez em Interlagos. Com essa expectativa, nossos vizinhos acompanharão a prova na voz do locutor Leo Regueira durante a transmissão do canal TyC, líder nacional na cobertura esportiva. Esta será a segunda vez que nossos vizinhos verão a principal prova brasileira ao vivo: a estreia da Corrida do Milhão nas telas argentinas aconteceu em 2018, ano da última vitória de Rubens Barrichello na prova. No Brasil, a corrida será mostrada ao vivo dentro do programa Esporte Espetacular, da TV Globo, a partir das 10h10, com narração de Sérgio Maurício.
Estão justamente no box de Barrichello as esperanças argentinas. Aos 36 anos de idade, Matias Rossi coleciona títulos em categorias importantes de seu país: Turismo Carretera (2014), Top Race V6 (2019), Super TC2000 (2013) e TC 2000 (2006, 2007 e 2011). Na Stock Car, ele defende com Rubinho o esquema técnico comandado pelo preparador Maurício Ferreira, a equipe Full Time Sports, que está equipada com dois novos Toyota Corolla. O time baseado na cidade de Vinhedo, no interior de São Paulo, também venceu com Barrichello a edição de 2014 da prova.
A estreia de Rossi nas duas corridas que compuseram a etapa de Goiânia, em julho, não chamou a atenção dos brasileiros. O argentino obteve um 11º e um 12º lugares, que o fizeram somar 19 pontos e garantir a 12º colocação na tabela. Seu companheiro Barrichello venceu uma das provas e obteve um sétimo lugar na outra, assumindo a liderança do campeonato com 38 pontos. Mas Rossi sempre foi modesto e cauteloso sobre sua participação na Stock Car: “Eu sei que o Stock Car é um carro difícil, que tem suas particularidades. A princípio, é difícil de pilotar. Acredito que isso vai me cobrar um preço no início. Terei que me dedicar a uma adaptação, por que não conheço o carro e os circuitos”, disse ele em entrevista ao site da categoria.
Mesmo sabendo do tamanho do desafio, o piloto argentino do Corolla #117 mostra confiança: “Eu acho que posso andar bem na Stock. Há muito talento e capacidade entre os pilotos do Brasil, mas também na Argentina. No meu caso, acredito que se tiver tempo, prudência e condições para me adaptar, vou fazer um bom papel e até brigar pelos primeiros lugares”.
Carismático e competente, Rossi foi apelidado de “Míssil” em seu país – uma nação que nutre paixão pelo automobilismo. O piloto da Full Time Sports diz que há muita gente acompanhando a Stock Car além da fronteira. “O público argentino tem uma boa expectativa em relação à minha participação. Eu já corro profissionalmente na Argentina há muitos anos e isso também desperta interesse. Inclusive, meus colegas pilotos estão sempre me perguntando novidades, sobre o início da temporada da Stock Car. Eles estão muito interessados. Sim, acho que vamos ter muita gente na Argentina acompanhando as provas este ano – e isso vai ser muito bom”.
Bons resultados
O histórico argentino na Stock Car em Interlagos conta com um pódio conquistado por Mauro Giallombardo e a incrível pole position cravada por Juan Manuel “Pato” Silva – duas façanhas registradas na Corrida de Duplas de 2014. Na ocasião, Giallombardo era parceiro de Marcos Gomes e “Pato” era companheiro de Cacá Bueno.
Agora com o título de “Corrida do Milhão Solidário”, a prova de domingo não premiará um piloto como é tradição. Ao invés disso, vai ajudar no combate ao coronavírus doando o equivalente a R$ 1 milhão em itens como EPIs (equipamentos de proteção individual), medicamentos, produtos de higiene pessoal, cestas básicas e serviços, para serem distribuídos ao longo do segundo semestre em várias regiões do país. O objetivo foi alcançado através das doações de empresas que aderiram ao projeto: Eurofarma, Banco BV, Nutriex e Rennova. As doações, no entanto, ainda serão possíveis até a etapa de encerramento do calendário, em dezembro.


Deprecated: Directive 'track_errors' is deprecated in Unknown on line 0