Coluna “De carro por aí” – Por Roberto Nasser

 

Caricatura Roberto Nasser

Coluna 3616   31.Agosto.2016                              

 

 

Novidades Turbo: Tiguan 1,4 e Golf 1,0

Volkswagen abre leque de produtos visando ascender em vendas e no mercado, deixando a, para ela, insólita 3ª posição. Terá três novas versões Flex: Golf 1,0; Tiguan 1,4; Golf Variant 1,4 de sua boa avalista, a fórmula TSI de motores pequenos, turbo, injeção direta de combustível, líder de vendas na família up!. Deve adotar a calibragem alemã + flex, podendo gerar 120 cv de potência, e mais de 20 m-kgf em torque.

Foca reduzir preços. Pequeno percentual no Golf, pelo menor custo do motor, e pela reclassificação tributária recolhendo percentual menor em IPI, e seu efeito cascata de impostos calculados uns sobre os outros. O Golf TSI 1,0 recolherá 7% de IPI ante 11% com motor 1,4.

No caso Tiguan espera-se redução maior por presumida contração em conteúdo, acessórios e equipamentos, incluindo a supressão da opção de tração nas rodas traseiras, reduzindo-o a 4×2. Deve manter itens de segurança, como as 6 almofadas de ar; sistema de arrancada em subidas; controles de tração e estabilidade; e, versão simples, estofamento em tecido. Sem redução nos impostos: veículos com motor 1,4 ou 2,0 pagam idênticos 11% de IPI.

Preço final estimado em R$ 110.000. Conta fácil. Na Alemanha, de onde será importado -, 1,4 TSI custa 70% da 2,0 TSI.

Variant Golf, com o mesmo conjunto mecânico do Tiguan, motor 1,4 litro, 150 cv; 25,5 m.kgf de torque; transmissão automática de seis velocidades, ocupará, solitária, o mercado de station wagon, camionetes, peruas, no país. A decisão do uso da transmissão automática dita Tiptronic em lugar da mecânica de dupla embreagem DSG com sete velocidades, tem base técnica-mercadológica – a VW não quer clientes com dores de cabeça, como ocorre com usuários de Fords com a problemática transmissão PowerShift.

Variant manter-se-á importada do México e sucesso de vendas estará atrelado à trinca exclusividade; conteúdo; preço. Trinca TSI chega fim de setembro.

 

Foto Legenda 01

Golf Variant 1,4 TSI Flex. Sucesso dependerá do preço

 

Roda-a-Roda

 

Foto Legenda 02

Proposta Alfa Giulia picape

 

Pode ? – X-Tomi, designer húngaro hábil em propostas inusitadas como picapes Audi e Rolls-Royce, estendeu-a ao Alfa Romeo Giulia em mecânica poderosa, 2,9 litros, bi turbo, 510 cv.

Já vi – No Brasil não seria novidade para a marca. Início dos anos ’70, Alfredo Migani, revendedor carioca, mandou o mago petropolitano Renato Peixoto transformar sedãs FNM 2150, licença Alfa Romeo, em picapes para atender, onde estivessem, aos novos caminhões Fiat.

 

Foto Legenda 03

Picape FNM 2150 Migani by Peixotinho

————————————————————————————————-

Multi – Louvado por sua versatilidade, Mercedes Unimog exibiu novas aplicações: versão ferroviária, apta a tracionar até 1.000 t (!) em trabalhos de reparos em estradas de ferro, e plataforma com grua. Imbatíveis em preço e operação em tais serviços brutos realizados por locomotivas.

 

Foto Legenda 04

Unimog ferroviário

 

Tecnologia – Nem cinco, nem seis, sete, oito ou nove marchas, como existem hoje, dependendo de produto, marca ou mercado. Honda melhorou tecnologia de duas embreagens e aumento do número de engrenagens no câmbio. Patenteou no Japão caixa com três conjuntos de embreagem e 11 marchas.

E ? – Meta não é induzir velocidade. Com tantas combinações levando o movimento do motor às rodas, terá ganhos de aceleração e consumo, podendo reduzir tamanho e peso do motor, sem comprometer rendimento.

Quam multis ?Até quantas? indagariam pilotos de bigas na Roma antiga. Limite depende de custos ante caixas CVT de polias variáveis, e as automáticas.

Importância – Para lembrar, moto Suzuki, motor de baíxissima cilindrada, obteve resultado fantástico na década de ’70: 220 km/h. Segredo? conjunto e caixa com 16 (!) marchas.

 

Foto Legenda 05

Novo Lincoln, ganhos gerais

 

Refinamento – Ford lançou novos Lincoln, topo em luxo, refinamentos mecânicos e conteúdo, aplicando vigor à qualidade. Resultado, última pesquisa de satisfação do consumidor o tem líder, com 87 pontos em 100. Subiu cinco relativamente à série anterior frente a Honda, Toyota e BMW.

Chegando – Fiat em derradeiras providências para apresentar Uno 2017 em setembro. Como a Coluna decupou, dois motores novos, de 3 e 4 cilindros; 1,0 e 1,3, ênfase no torque, maior conteúdo. Marca quer deslocá-lo da linha inferior do mercado, para urbano Mobi ocupar tal espaço.

1677_1_preview
Novo Uno

 

Mais um – BMW iniciou montagem nacional do modelo X4, misto de automóvel, crossover e SAC – Sports Activity Coupé, motor quatro cilindros, 2,0 litros, 245 cv. Volume previsto para 2016 inverso ao preço: 45 unidades, R$ 299.950, topo dentre fabricados/montados no país. Quinto da marca fábrica de Araquari, SC.

Na veia – Toyota aplicou-se, montou pista de 9.600m2 a interessados testar seus produtos na Expointer, Esteio, RS, até set.4: versões Flex de picape Hilux, SUV SW4, Corolla e Etios. Crê vender 100 unidades no evento.

Classinovidades – Harley-Davidson apresentou nos EUA novos motores. Mantém a arquitetura mecânica com dois cilindros em V a 45 graus e som; reduziu vibração primária em 75%; obteve melhores respostas; e as rotula como as HD mais confortáveis. Motores são os Milwakee-Eight 107 e 114. Eight indica sua oitava geração. H-D no Brasil não sabe quando virão.

Merchandising – Assumiu mídia corajosa: novela das 18h na Rede Globo. Colocou 7 motos na história, envolvendo oficinas H-D. Merchandising Global é caro. Tanto, após duas décadas, Kia saiu da novela das 21h.

Objetivo – Para vender, vale tudo, incluindo adaptar o produto para mercados com outras exigências. Caso da MAN Latin America exportando 10 chassis de ônibus para Moçambique. Mudanças ? Volante do lado direito, chassi e direção reforçados, maior capacidade de carga sobre os eixos para fazer diferença.

Avanço – Tratores, sempre vistos como máquinas brutas, surpreendem quando se informa terem grande aporte de tecnologia. Fabricante Valtra indica novas capacidades para seus modelos.

Tecnologia – Piloto automático evitando sair da trilha; monitoramento externo

do trabalho, enviando mensagem de texto a celular se o equipamento sair das especificações da tarefa; mapeamento da produtividade; capacidade de transmitir dados a dispositivo móvel de agrônomos ou chefes de colheita.

Mais – CNH, marca Fiat, exibiu ponto superior no Farm Progress Show, EUA: trator autônomo, sem operador. Base mecânica nos modelos Magnum, da Case IH, e T8 New Holland, marcas do grupo, operação ultra precisa se faz por telemática e GPS via computador ou tablet. Design mudou, dispensando cabine.

Mais – Levorin, empresa familiar de pneus para motocicletas e bicicletas, com fábricas em Guarulhos, SP e Manaus, AM, adquirida pela Michelin. Expansão, complementariedade de partes, e sinergias em pneus para este segmento, e rapidez para ter clientes de motos de alta performance. Aguarda aval do CADE.

Menos – Crise não é ruim para todos. Para quem capitalizado, hora de adquirir empresas menores, como no caso. A cada dia se reduzem as nacionais ligadas ao segmento de fornecedores no setor de transporte.

Igual – Heliar em 85º aniversário coloca no mercado de reposição baterias idênticas às fornecidas às montadoras. Garante por 18 meses maior resistência à corrosão, forte corrente para arranque a frio. Tem cor preta, como nos O Km. Curioso, suas baterias com caixa branca tem garantia de 24 meses.

Festa – Fábrica de pneus e câmaras de ar para bicicletas, motos, carroças, gaúcha Rinaldi comemora 47 anos com vendas ao Mercosul, Europa, e EUA.

Na parede Certificados de Gestão de Qualidade ISO 9001:2008 e de Destruição Térmica de todos resíduos por cimenteira para gerar energia.

Negócio – Atraído pelos negócios com veículos o poderoso portal Amazon criou óbvio www.amazonvehicles.com. Quer entrar na área de anúncios para vendas de veículos e partes, novos e antigos.

A jato – Audi realiza ação no Estacionamento VIP do Aeroporto de Congonhas, SAO, SP: revisões pós venda – garantia e previstas por km – durante viagem do cliente. Operação pela revenda Eurobike, das 6 às 23h. A fim? 0800 077 7000.

Já vi – Final anos ’90, Robson Romagnolli, da Audi, foi co optado pela Fiat para empurrar vendas dos automóveis Alfa Romeo. Uma das promoções para valorizar a propriedade da marca era estacionamento grátis no mesmo aeroporto, e lavagem grátis. Outra, baixar em 30% os preços de peças e mão de obra.

Expectativa – Revenda Plaza Honda em Brasília projeta, entre nacionais e importados, 200 lançamentos no exercício, e seu diretor João Batista entende, investir na promoção aquece mercado. Honda inova em test-drive para novo Civic: óculos de realidade virtual permitem ângulo de 360 graus.

Justiça – Dono de Kombi Last Edition ganhou processo contra a Volkswagen. Alegou ter comprado o carro, anunciado em série final de 600 unidades, mas desvalorizada pelo aumento de produção a 1.200. Justiça reconheceu o prejuízo: condenou VW devolver o valor recebido mais correções, ter a Kombi de volta.

Gente – Antoine Gaston-Breton, francês, 40, promoção. Diretor de Marketing na Peugeot. Íntimo da marca há 23 anos, e com América do Sul: foi chefe de produto da Peugeot Argentina. Lugar deixado por Frederico Battaglia, elevado a Diretor Comercial. Peugeot em interessante situação no mercado: mantém-se, sem participar dos 24% de queda geral das vendas; os artífices de sua nova postura mercadológica já deixaram a empresa. Carlos Zarlenga, argentino, 42, financista, promovido. Novo presidente da GM no Brasil, substituindo Santiago Chamorro. Era presidente da GM Argentina, suprindo saída da brasileira Isela Costatini, desafiada pelo governo Macri a salvar a Aerolineas Argentinas. Acumulava o cargo com a chefia geral de finanças para a América do Sul. Chamorro deixa na GM liderança de vendas e tema para trabalho universitário: jornalista especializado atrapalha vendas.  Fez enorme contração no relacionamento entre GM e profissionais do ramo.

 

A mágica chamada TSI

Volkswagen expandirá sua relação de produtos com versões baseadas na tecnologia turbo com injeção direta de combustível. Tal adição oferece ótimos resultados: aos clientes aumenta a satisfação no dirigir; à sociedade reduz o consumo de combustível e a redução de emissões; ao governo auxilia cumprir as metas do programa Inovar Auto.

Uso de turbina auxiliar é tecnologia secular, constituindo-se, a grosso modo, em captar ar na atmosfera, insuflando-o no motor, forçando formar o gás explosivo gerador de potência. Em termos de automóvel, sempre foi identificado com aumento de potência, de capacidade de aceleração, de velocidade – e também de funcionamento manhoso, pelo aumento de consumo, pela menor vida útil. A Volkswagen vivenciou isto quando produziu, pioneiramente no Brasil, o primeiro motor 1.0 turbo. Tinha a proposta e os inconvenientes da esportividade.

A nova geração de motores turbo tem outro foco, reduzir peso e volume, sem perder rendimento. A eletrônica permitiu juntar várias tecnologias, como a injeção de combustível diretamente sobre a cabeça dos pistões; o uso do turbo gerando resultados desde as rotações mais baixas. Resultado, a disposição do veículo surge desde as baixas velocidades, recebendo torque com galhardia – o que lhe interessa nas situações do dia-a-dia.

A combinação criada pela Volkswagen no pequeno motor 1,0 de três cilindros, e no 1,4 com quatro, oferece resultados com brilho: performance e economia, gerando consequências: o up! 1,0 TSI, com turbo e injeção, iniciou re orientar a clientela: não mais os à procura de maior velocidade máxima, mas os interessados em maior prazer no dirigir. A mudança conceitual e a nova óptica ao consumidor alteraram o mercado: hoje, dentre as vendas do up! quase metade é com opção turbo, pois anda como um carro 1,8 e gasta como se fosse 0,9. O turbo deixou a posição de nicho e passou à de opção.

upTSi - 2
up! TSI abriu caminho do motor pequeno e esperto

 

edita@rnasser.com.br


Deprecated: Directive 'track_errors' is deprecated in Unknown on line 0